[Iberê] Numa construção ou reforma, de quem é a responsabilidade pelos encargos trabalhistas? Do proprietário ou do empreiteiro? 
Professor Iberê
Arquiteto, Psicanalista e escritor
Publicações • Cursos • Eventos • Artigos
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem sou? | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Boletins   Anuncie   Quer colaborar?   Dúvidas técnicas  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre
Artigo mais recente (veja mais 42 artigos nesta área)

Numa construção ou reforma, de quem é a responsabilidade pelos encargos trabalhistas? Do proprietário ou do empreiteiro?

Por Arq. Me. Iberê Moreira Campos e equipe

A obra funciona como se fosse uma empresa, e precisa ter responsabilidade social sobre seus funcionários. Se estes forem fornecidos por um terceirizado (no caso, o empreiteiro) este é que fica responsável pelos encargos trabalhistas e responsabilidade social. No entanto, se este falhar, o dono do imóvel pode, sim, ser responsabilizado.

Assim, quando fazemos um contrato com o empreiteiro, é bom fazer constar que ele se responsabiliza pelos funcionários que vai colocar no canteiro. Na verdade isto nem precisaria ser dito, porque é de lei, mas é bom colocar para reforçar a responsabilidade dele. No caso de algum acidente de obra, será verificado através de quem o acidentado foi colocado na obra e para então ser acionado o respectivo responsável.

Em termos legais, a lei Lei 8.212/91, em seu artigo 15, parágrafo única, informa ser o “dono de obra de construção civil” o responsável pelos trabalhadores que lhe prestam serviço numa construção. A obra deve ser cadastrada no INSS com uma matrícula CEI (Cadastro Específico no INSS) e estar em dia com suas contribuições previdenciárias, assim como suas subcontratadas. Após a constatação da legalidade dos recolhimentos, será possível conseguir a Certidão Negativa de Débitos (CND) que será usada posteriormente para averbação no Registro de Imóveis e dada a concessão do Habite-se.

O dono da obra, o incorporador, a construtora, o empreiteiro e o condômino da unidade imobiliária, seja qual for a forma de contratação, são responsáveis solidariamente pelas contribuições previdenciárias da obra. Cada um tem o recolhimento incidente de todos os seus empregados. Se algum dos solidários não possuir os registros dos empregados, qualquer um poderá ser acionado pelo INSS, conforme citado na Lei 8.212/91, artigo 30, inciso VI. Esse artigo de responsabilidade solidária é específico para a construção civil. Se for constatado que há funcionário sem registro de algum empreiteiro, o contratante é solidário. Portanto, para se eximir da responsabilidade, o contratante pode exigir do empreiteiro a apresentação da comprovação do recolhimento das contribuições incidentes sobre a remuneração dos segurados, baseado no artigo 28 da Instrução Normativa 18/2000.

Porém, para solucionar o problema da documentação a ser apresentada, a Lei 9.711/ 98 instituiu a retenção de 11% de contribuições pelo contratante, modificando o artigo 31 da Lei 8.212 que diz: "O contratante de quaisquer serviços executados mediante cessão de mão-de-obra, inclusive em regime de trabalho temporário, responde solidariamente com o executor pelas obrigações decorrentes desta lei, em relação aos serviços prestados...". Já o artigo 31 da Lei 9.711/88 determina: "A empresa contratante de serviços executados mediante cessão de mão-de-obra (...) deverá reter 11% do valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços e recolher a importância retida (...) em nome da empresa cedente da mão-de-obra".

A partir dessa mudança, a cessão de mão-de-obra é empregada nos serviços listados na seção II da Ordem de Serviço 209/99. Pelo Decreto 3.048/99, os serviços de construção civil são realizados mediante cessão de mão-de-obra e os 11% são retidos pelo contratante, exceto quando a construtora assume a responsabilidade direta e total pela obra. Todavia, na construção civil, essa retenção de 11% vem sendo questionada. Esse decreto colocou a construção como cessão de mão-de-obra, contrariando a Lei 8.212, o que é ilegal. Várias instituições, como o Sinduscon e a Apeop (Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas), estão discutindo a legalidade dessa retenção.. Com a retenção de 11%, a empresa só receberá 89%, porém poderá compensar o valor retido com as contribuições previdenciárias incidentes na execução daqueles serviços. Dessa forma, o governo transferiu aos tomadoras do serviço a responsabilidade pelo desconto e também pelo recolhimento.

Publicado em 01/08/2018 às 10:27 hs, atualizado em 01/08/2018 às 11:00 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 42 ARTIGOS SOBRE :
Como usar o CUB para estimar valor de reforma de apartamento
Quanto cobrar num projeto de reforma de uma edificação?
Quanto um profissional liberal deve cobrar pelo deslocamento com automóvel próprio para fazer um atendimento a cliente?
O que o contrato com empreiteiro de uma obra tem a ver com o imposto de renda sobre lucro imobiliário
Em nome de quem devem ser tiradas as notas fiscais de uma construção? Em nome do proprietário ou do engenheiro?
O que devo fazer numa visita técnica a uma construção que estou fiscalizando?
Forro de estuque tem amianto? Como demolir e descartar sem prejudicar a saúde das pessoas?
Qual é a forma mais barata de fazer a reforma de uma casa?
Quando se pode derrubar uma parede sem prejudicar a segurança do prédio?
Diferença entre área útil, comum e total em um edifício comercial
Quanto tempo depois de concretada a calçada um carro pode passar nela?
A importância do Habite-se (auto de conclusão de obra)
A importância do contrapiso para a colocação de pisos vinílicos
Tubos e conexões PPR para água quente: economia e praticidade na substituição ao cobre
Obra parada, resultado da falta de planejamento e de administração
Reforma de casas antigas: substituição de forro de estuque atacado por umidade e cupins
Tipos de solo e investigação do subsolo: entenda o ensaio a percussão e seu famoso índice SPT
Evitando problemas durante pintura de imóvel
Procedimentos e cuidados na execução de alvenaria
Orientações e cuidados para revestimento de piso com pedras naturais
Reforma de casa ou apartamento requer planejamento, bons profissionais e diplomacia
A importância do ar condicionado na construção: muito além do ar fresco
Cobre valorizado no mercado internacional afeta Brasil e incentiva roubo de condutores elétricos e de cargas
Cal hidratada nas argamassas
Critérios de medição em obra
Alvenaria com tijolos comuns
Medição de vidros e a eterna questão do custo versus preço
Tipos de tijolo para alvenaria e suas características
Tubos em PPR, boa alternativa ao cobre nas tubulações de água quente
Conexão à rede pública de esgoto e o controle de roedores
Dúvidas Mais Freqüentes no uso de Tubos de PVC
Como fazer a retificação de área no Registro de Imóveis
Conheça os três tipos principais de solo: areia, silte e argila
Verniz ou stain: qual é a melhor opção de acabamento para madeira aparente?
Concreto Usinado - Dicas para a Compra
Areia para construção civil: como comprar e como usar
Pedra (agregado graúdo) para construção – escolhendo e usando
Otimizando o uso de brita no concreto: o Teste da Lata
Melhorando a qualidade do concreto feito em obra
O que é alvenaria estrutural?
Bacias sanitárias e o consumo de água
As dificuldades no reuso de materiais de construção

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da Iberê M. Campos e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.